sexta-feira, 24 de abril de 2015

ELA






“E a costela que Deus tomara ao homem, transformou-a numa mulher”
Gn 2,23


Ela  tem a força das minhas costelas
E a forma do meu corpo por dentro
Ela não conheceu o barro
De onde eu vim
Ela saiu da minha concha
O seu perfume sobe e desce ainda
No meu sangue
Até que a morte cale o coração
O coração reconhece-a,  é ela
O verão no meu corpo envelhecido
Que acordou do sono, ela é agora osso
Dos meus ossos, carne da minha carne
Ela é a fonte do meu riso.

23-04-2015

©João Tomaz Parreira

Um comentário:

Heloisa Zachello disse...

Que carinho... Tenho certeza de que " Ela " amou, e se sentiu muito valorizada. E privilegiada, por ser fruto de uma " costela " tão meiga.
DEUS te abençoe, poeta!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...